Dicas para gravação de bateria

Não tive a intenção de criar um guia definitivo, mas um pequeno roteiro; algo que ajudasse a prevenir problemas comuns, que acabam com muitas gravações que tinham de tudo para serem ótimas. Espero que seja útil!

Posicionamento
O posicionamento da bateria, embora quase nunca seja levado em consideração, é muito importante para o sucesso da gravação. Isso porque cada sala responde de forma diferente e suas características fazem toda a diferença no resultado final.

Se a sala é pequena, tente secar, pois é provável que haja problemas com ressonâncias (algo como aquele tambor que não para de “cantar”). Como nem sempre é possível alterar a acústica da sala, vale a pena tentar mexer nas peles dos tambores, diminuindo o “decay” (tempo que a pele leva para parar de vibrar após o golpe da baqueta). Para isso, é muito comum o uso de fita crepe na parte superior da pele. É muito importante que a bateria esteja bem afinada, pois caso contrário, não há fita que dê jeito no timbre ruim.

Se ao contrário, a sala é grande, tente descobrir onde a bateria soa mais natural. Não tem jeito, você terá de perder um tempo mudando-a de lugar até achar o lugar que para você é o ideal. Dá um pouco de trabalho extra, mas acredite: vale a pena!

Microfonando
Na hora de microfonar a bateria tenha paciência no posicionamento dos microfones. É fundamental já sair com o som bem próximo do que se deseja, pois esse papo de “conserta na mixagem” já está pra lá de manjado. Para isso, tente sentir como os mics se comportam, lembrando que cada um “reage” às freqüências captadas de forma diferente.

Não esqueça do baterista! Com os microfones bem posicionados é preciso saber se ele está confortável para tocar no meio dos pedestais. Pergunte se algo o está atrapalhando, ele vai agradecer.
Não jogue o microfone do bumbo de qualquer jeito. Utilize um pedestal e lembre-se: mais “kick”, aproxime da pele, menos “kick”, afaste.

Se o bumbo está sendo “trigado” não perca tempo com o timbre, pois ele será substituído mais tarde.

Equalização
Existe muita polêmica quanto à equalização. Uns amam e outros simplesmenteodeiam, alegando que “mata” a naturalidade do instrumento. Eu, pessoalmente, nunca usei nenhum microfone que não desse um colorido próprio no som, então, por que não equalizar? Evite, sim, criar um som muito diferente do que está acontecendo na sala de gravação. Aí, com certeza vai soar artificial. Se não está satisfeito com o som do bumbo, troque o microfone ou até o bumbo, mas não tente modificar demais o timbre, pois os resultados quase sempre são desastrosos.

Monitorando
As aparências enganam! Preste atenção ao vazamento da sala, pois o som da bateria pode se confundir com o som dos monitores, fazendo com que você equalize de forma diferente. Nesse caso, grave um pequeno trecho e ouça separadamente. Bons fones também ajudam.

Sinal
Grave com o sinal entrando alto! O mais alto que você puder! Não importa se o bumbo ou a caixa estão muito na frente de tudo, corrija as alturas na mixagem. O importante agora é aproveitar a melhor relação sinal/ruído. Tome cuidado com os picos de sinal (preste atenção ao mixer, pois ele o avisará se isso acontecer, acendendo uma “luzinha” vermelha, geralmente acima do “fader”). Para evitar as distorções causadas pelo excesso de sinal entrando (clip), podemos utilizar um compressor/limiter, mas cuidado para não exagerar, pois uma vez gravado, não há como voltar atrás.

Se você não tem muita intimidade com um compressor, é recomendável que você deixe para comprimir após a gravação, utilizando plugins. Cuidado também com os mics “over all”, pois um descuido e já era: “clipou”!

Antes de gravar, certifique-se de que o baterista ouve bem a guia nos fones e de que o metrônomo está num volume confortável, mais uma vez, pergunte a ele se está tudo ok.

Agora clique no “rec” e boa sorte!

Quem é o editor do Guia do Áudio?


O Guia do Áudio é mantido por Gabriel Guerra

Músico, compositor, produtor musical e publicitário.

Ficou curioso? Saiba mais sobre meus trabalhos:
SoundCloud | Youtube | Facebook | gabrielguerra.me


Produção musical? Produza seu CD comigo!

Já comentou?

Seu email não será publicado. Campos obrigatório marcados *

*

Topo da página